Intercâmbio

Ahhh…. tanta coisa envolvida no sonho do INTERCÂMBIO. É um sonho de pais e mães, é um sonho dos adolescentes, é o sonho de jovens adultos que estão na universidade e recentemente é o sonho de adultos também, que descobriram o intercâmbio profissional. Mas aprender inglês em um ano em imersão funciona? Precisa saber falar antes de ir ou só se aprende lá? Aí depende do que as pessoas pensam que é falar bem inglês…

Eu não fiz intercâmbio, aprendi inglês em escola de idiomas, mas convivi praticamente a minha vida toda com ele. Meu irmão foi intercambista e depois trabalhou como voluntário para uma organização de intercâmbio, recebemos uma intercambista em casa por um ano e por coincidência ou destino, casei-me com um intercambista. Além de toda essa convivência minha profissão me colocou na posição de ajudar e preparar pessoas para que tivessem uma experiência satisfatória com os mais variados tipos de intercâmbio. Preparei profissionais, atletas, estudantes e até pessoas que pretendiam imigração.

Como professora de língua estrangeira, é claro que meu foco de atenção quando recebemos uma intercambista foi a maneira como ela aprendeu o Português e como falou, leu e escreveu após um ano. Obviamente aprendeu a se comunicar, mas mesmo após um ano de imersão, pude perceber que talvez levassem alguns anos ainda para que ela dominasse o idioma com mais segurança e assertividade. Esse é o relato do meu marido após um ano de intercâmbio também: dava para se virar, mas falar, ler e escrever com uma certa fluência é uma coisa totalmente diferente. E essa é a realidade que percebi durante todos esses mais de 25 anos ensinando línguas e em contato com pessoas que viajam, moram um ano fora e “pensam que podem ensinar” um inglês que de fato, não tem suficiente nem para eles.

Em minha experiência com alunos que fizeram inglês durante anos e então se embrenharam na aventura do intercâmbio, a experiência foi definitivamente mais proveitosa, pois puderam desfrutar da experiência cultural e até de fato aproveitar de mais desenvolvimento linguístico pois a base e pelo menos o nível intermediário já dominavam. Aí sim o intercâmbio vale a pena, senão é só sofrimento e isolamento nos primeiros meses até a pessoa conseguir se comunicar.

No caso dos universitários e adultos, minha experiência sempre foi de prepará-los durante meses e em sistema intensivo para que conseguissem se comunicar, estudar e trabalhar fora do país. Aprender em uma boa escola de idiomas nesses casos, é imprescindível e inevitável.

Experimentei muitas vezes também precisar ajudar pessoas que foram despreparadas e encontraram todas as dificuldades possíveis e imagináveis por causa da inabilidade com a língua. Acabavam por não aproveitar a experiência e muito menos desenvolver a língua. Sem contar os equívocos e desinformações sobre EXAMES INTERNACIONAIS e quais são aceitos, como e onde… mas isso é assunto para outro bate papo…

By Ana Tomazeli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *